S/ TITULO
Com os sons viaja
Ser nómada por tempestade e calmitude.
Formata os dias e minutos
Sem pressa de expectativa.
Ser extraterrestre em nave verdejante
Ser corpo humano em pássaro cósmico.
Um som aqui, outro som ali.
Uma frequência do amanhã cor-responde a uma terapia do hoje.
Ensinar os órgãos ao que inspira
E desligar os cabos do que ferve em água que ora estagna ora calcifica.
Prestar contas com o que tem de perdão, sim.
Mas este nosso alcance é de um amor único em 360 graus,
Nitidez de Condor, 
Agilidade de Jaguar,
Serpente em esplendor,
Gato que aprende a receber e a dar.
Seres todo este Espírito que encarna.

21.12.2021
S/ TITULO
O que te parecem trapos,
Singelos encontros de panos, tecidos e amarrotados coloridos
São teus resquícios de contacto com a pele.
Há um pedido por esse jardim de delícias
Esse encanto do tacto e carícias
Que não importa o novo ou o velho
Quando é de alma e espelho
Ventos levantam, aragem da simplicidade.
Os olhos brilham e os pés descalçam.
Largam-se postos e corrige-se a vela
Do navegador dessa branca tela.


Fazendo troca dos tais coloridos
Sentidos que são mais do que cinco amigos
Aprendes tu e aprendo eu os cálculos 
Aritmética dos amores despidos.

Pelos dedos contados, formando a palma da mão

Vive em esplendor aquele que dá e recebe
Com calor do fogo, ardente vai ao peito

E sem recusar ao outro um porto de abrigo
Sem âncora despe-se, roupa (n)outro sentido.
2023

~ De caminho linear pouco tem
A serpentear vai, camada a Camada
libertação vem, amada, amada... ~

~ Na serenidade do gesto
Recebo a resposta.
Catarse. ~

||||| Eu reconstruo os alicerces
e raízes da minha paz.
Ser, mais que Fazer ||||

~ Uma viagem na essência 
requer vibração.

A tua água interna sabe
como escutar, mover. ~

~ Na dança cósmica, 
o ser maleável encontra-se
com o ancestral e a poeira estrelada. ~

~ Unveiled heart!
A bridge to all temples,
a core of all existence,
archi-texture of our soul. ~

~ Speaking purified water
Proliferating crystals
The language of children facing mirrors ~

~ Network, Flow, Data,
A shared Mind manifested itself.
We are In-Formation. ~

~ Waking up to our true  nature
Now we learn to unlearn
An impermanent paradox of night and day ~

~ Blooming arteries
Sky is the stage
Worth every play ~

EU SOU O TEMPO

Eu Sou o Tempo.
Trago água e anjos de penas, dádivas.

Tudo cá dentro, reflexos e espelhos. Dádivas.
Corpos dançantes, melodias e sons vibrantes. 
Movem-se.
Move o fogo, a labareda que aquece e espalha o próprio movimento.
Move a terra e as conchas, os búzios e essas areias com o vento. O ar, e mensagens que abarcam os anjos de penas, as miragens que são sabor, os cânticos que são das rajadas de vento entre a duna e os tecidos do corpo.
Sou tempo ancestral, e futuro. Sou o que vai ser sendo, e fui ao ser-fazer. Sou Tempo do Agora, alinhamento do que penso, digo e faço. 
Sou o espaço meditativo entre 2 tempos agitados, sou o tempo activo entre 2 espaços que viveram se-parados, paredes que falam e terra que move, trovão que transporta a mensagem do som, através da escuta outrora desatenta.
Sou quando o teu tempo atravessa o meu tempo, e o meu tempo atravessa o teu tempo. Sou esse buraco de fechadura, uma direção em que somos missão.  
Criamos o nosso tempo, que se assemelha a outro tempo, esquecido. Cuidamos e servimos a noção de tempo. Como escovar o cabelo de uma criança por horas a fio, onde cada é uma avó, e cada brilho de escovado é uma Oliveira.
Faço do tempo uma noção-Deus, pois coloco um L e chamo-lhe Templo - é sagrado, é.
Mas é o que é, sem julgamento.
Somos a travessia nessa caminhada, um mar de ondas que embala o tempo, ás​​​​​​​ 6 vive um ciclo, á sétima onda e ano descansa.
Como uma criança, escuto esse embalo, transporto os anjos de penas que pousam no areal de muita antes rocha e pedra, de pequenos universos:
Uma viagem de avião, leva-nos a outro tempo - em pouco tempo vemos um aperto como noção de tempo;
Sou paz como medida temporal.
E se ponteiros de um relógio fossem essa frase? 
E se ponteiros de um relógio fossem a palavra Paz? 

E se todos os números fossem A Palavra?
Rodava em sentido relógio ou contra-relógio? 
Teria som dos segundos ou um inspirar profundo e singular?
05.12.2023
S/ TITULO
Que possas escrever sobre o sândalo que perfuma o teu encontro com a resposta nocturna a uma pergunta matinal.
Que possas tornar o teu dia mais leve, a sua existência numa magia entre sentidos.
Que despertes a doçura do teu coração, e sintas… sintas que fazes parte deste jardim - e bosque e floresta - da vida.
Que brote do teu peito uma teoria de pétalas, um infindável despertar na prática da paz;
Uma herança de prazer e afecto que faz de ti uma benção. Pois És, uma oração viva.
Nutre cada gesto das tuas mãos, cada dedo, cada prosa que sai da sensibilidade que o Divino se permitiu dar. E em cada encontro de 2 dedos, de um polegar e seus outros companheiros, uma valsa de arrepio húmida de terra, fluida de água, fogosa pelo centro, e em ar que comunica.
Foste feita de óleos que aquecem almas, líquidos friccionados, geradores de calor que estremecem tristezas e se permitem desvanecer em arte quando integradas.
Ponderas muito, beijas pouco… beijas pouco dos lábios de sabedoria interna e intrínseca, mas estás em maturação do coração… Não há fa(r)dos, mas alimentos que humedecem povos e pastores, habitam ambos na tua e nossa casca celular, e nos campos verdejantes que te entregas a uma simplicidade do ‘ser vital’... que te aguarda há muito tempo e em espaço criados.
07.03.2023


​​​​​​​
Back to Top